Sunday, March 4, 2012

ABA - Iniciar uma interação

Os objetivos são ensinar um maneira apropriada para começar uma interação, o que aumentará o desejo de obter e manter a atenção das pessoas.

Você pode usar a indução de acerto (prompt) começando pelo suporte físico completo até o apontar, você considera que a criança aprendeu após fazer a ação três dias seguidos, em duas situações distintas de forma independente (sem indução de acerto).

Fase 1: Pergunte para a criançaa "Aonde está a bola (ou qualquer objeto)? A criança responde "lá" e aponta na direção do objeto. É super importante planejar a variação dos objetos e posição do objeto. Comece com objetos grandes e depois passe para objetos menores que vão requerer mais atenção da criança.

Quando nos iniciamos a fase 1, nós fazíamos 10 repetições por sessão, divididas em dois grupos de 5 vezes. Este exercício requereu mais repetição constante até que nos atingíssemos "expontanedade" lá pela terceira repetição. Quando isso aconteceu, nós passamos a repetir 10 vezes mas, de forma mais aleatória durante a sessão. Perguntava: "Cadê o carneiro?" que estava posicionado no chão mas com alguma distancia do Pedro ou do Luís, então eles olhavam no quarto e viam o carneiro, podendo dar a resposta apontando "lá", então nós usávamos o carneiro para fazer a atividade seguinte. Dessa maneira nos fomos fazendo as 10 vezes na sessão, eles achavam o objeto e usavamos-o para a atividade seguinte. Mas, no comeco, foi só repetição.

Fase 2: Peça à criança para dar um objeto para uma determinada pessoa. A pessoa não deve receber o objeto até que a criança diga "Toma" ou "aqui" ou qualquer outra coisa que seja para chamar a atenção do receptor que seja socialmente apropriado (sem ser grito). Você pode incrementar pedindo que a criança diga "Toma (nome da pessoa que ela está entregando o objeto)"

Você pode usar o jogo com bola, ou rolar carrinho, quando jogar a bola um para o outro os dois devem dizer "La vai, fulano"

Conosco a bola funcionou melhor, aqui nos tinhamos problemas de atenção no receptor também (que era o Pedro ou o Luís), mas nós seguimos trabalhando o levar alguma coisa para alguém, por exemplo: O Luís ainda chupava chupeta para dormir, então na hora de colocá-los na cama eu dava chupeta para o Pedro levar para o Lú, como é uma coisa que o Lú IA querer receber, eu eliminei o problema da distração do receptor. Fazia a mesma coisa com bolacha, maçã, ou algum brinquedo. Essa fase foi incorporada também nos "favores diários" como buscar um yogurte para a mamãe!

Fase 3: Conseguir a atenção de alguém. A criança deve dizer ou perguntar alguma coisa para alguém. Esse alguém não deverá responder na tentativa inicial, então a criançaa deve dizer o nome da pessoa e cutucar o braco dela.

Nesta fase, o Luís devia dizer o nome da pessoa, para o Pedro, pela maior dificuldade na fala, ele só precisava cutucar a pessoa e pedir o que queria (eu achei que acrescentar dizer o nome, poderia desinteressar o Pedro completamente pois seriam muitos obstaculos para ele de uma única vez). Nós usamos muito bolinhas de sabão, se você fizer com outra pessoa, a pessoa que sopra as bolinhas de sabão deve ficar de costas e o segundo adulto deve guiar a criança para pedir que sopre mais bolinhas. Nós também usamos bexigas, os meus adoram quando você assopra a bexiga e deixa ela esvaziar voando pelo ar, para soprar a bexiga de novo, o soprador também deve estar "inatento" ao primeiro pedido da criança para que ela seja levada a cutucá-lo pela atenção.

Eu fiz muito este exercício sozinha (pela falta do segundo adulto), e percebi que o importante é o "fazedor da ação" estar realmente ocupado com outra coisa, para o Pedro, era ofencivo se você não estava fazendo nada e ignorava o primeiro pedido dele, então eu assoprava as bolinhas de sabão e fingia que estava escrevendo, assim quando ele vinha pedir, eu podia "ignorar" o pedido porque estava genuinamente ocupada e ele então persistia com o toque no meu ombro.

Se ele precisasse de inducao de acerto, eu puxava e fazia o movimento sem olhar para ele, então quando ele me cutucava é que eu olhava, é mais difícil sozinha, com dois adultos funciona muito mais facil.




Fase 4: Mostrar alguma coisa que a criança fez. Tenha certeza que a outra pessoa pode ver o que foi feito.

Eles faziam projetos de arte com a tutora e depois vinham me mostrar. A tutora dizia, "Vamos mostrar para a mamãe" e eles saiam do segundo andar até a cozinha para me mostrar o desenho ou colagem. A tutora seguia para ter certeza que não iria acontecer nenhuma distração no caminho e eles não iriam "perder o rumo", nas primeiras vezes eu atendi rapidamente (para criar o incentivo de vir mostrar), depois nós acrecentamos o cutucar para mostrar. Nós fazíamos a "exposição do trabalho" na parede ou janela. No fim do dia eu retirava para não ficar muita coisa pela casa.

Qualquer iniciação de interação expontânea e socialmente apropriada era prontamente atendida e reforçada. Depois essa resposta de atenção foi sendo trabalhada com espera para ser atendido, persistência.

Colocá-lo a participar as atividades rotineiras da casa, seguindo os moldes do RDI também foi importante para o amadurecimento desta habilidade.

1 comment:

  1. Muito interessante e didático! Como sempre, eheh.

    ReplyDelete