Thursday, November 4, 2010

Transtorno semântico pragmático ou autismo?


Este termo Transtorno Semântico Pragmático é muito usado e define as dificuldades dos autistas de alto funcionamento ou Aspies, que a meu ver, são pessoas que estão dentro do espectro autista.

O semântico se refere a capacidade de significação, ou seja, de entender a linguagem. O pragmático é a parte social da comunicação.

Cognitivo e inteligência é a mesma coisa. O que confunde é que inteligência não é somente conhecimentos acadêmicos, mesmo que, de uma forma prática inteligência e cognitivo subentendem raciocínio lógico e acadêmico.

Nós temos vários tipos de cognitivo (inteligência); a inteligência acadêmica que pode ser subdividida em várias áreas como matemática, linguística, fatos, etc. E temos também a inteligência emocional/social, também chamada de cognitivo pragmático que inclui a habilidade social, a capacidade de se ajustar as diferentes situações da vida, conversar inclui a Teoria da Mente, do neurônio espelho, a capacidade de se colocar na perspectiva do outro, entender intenções, interpretação de texto, entender a moral da história.

O que acontece é que para estar no espectro autista a pessoa precisa ter déficit na área pragmática que é justamente área do entendimento social, esse déficit, porém também é em graus variados, não é tem ou não tem inteligência pragmática, a pessoa pode ter em certa extensão mas, há um déficit. Pessoas sem o diagnóstico de autismo também podem apresentar déficit nessa inteligência porém esse déficit não os torna disfuncionais. É muito comum que pessoas com síndrome compulsiva obsessiva, ADHD, ADD, entre outras também tenham dificuldades nessa área.

O cognitivo pragmático desenvolve-se intuitivamente e começa esse desenvolvimento nos jogos de esconder da primeira infância.

O que a inteligência pragmática faz por nós?

É através dessa inteligência que podemos dividir e unir nossas idéias com de outra pessoa e assim chegar a um produto final ou uma terceira idéia. É aqui se faz outra confusão "autista não tem imaginação" e por isso não consegue interagir no mundo das idéias. Com essa definição, muitas mães saltam e dizem "então meu filho não é autista porque ele tem imaginação" e as mães estão certíssimas no seus pontos de vista, o que falta é o entendimento que a criança/pessoa com autismo tem imaginação porém é a “imaginação individual” o que não existe é a capacidade de “dividir a imaginação” (e essa capacidade também pode vir em graus variados, não é tem ou não tem).

Muitas crianças têm uma imaginação individual fantástica, super elaborada, mas ela é a única autora dessa imaginação (mesmo que seja cópia da TV ou livros) e se você quiser participar da brincadeira imaginativa dela, você tem que seguir o script, seguir o que ela imaginou e planejou que você deve fazer para a brincadeira ser correta. Não precisa nem dizer que outra criança não vai achar graça nenhuma em brincar por longos períodos com alguém assim e construir uma amizade.

Conseguir trabalhar cooperativamente também é um outro obstáculo na deficiência do cognitivo pragmático, mesmo que a pessoa seja brilhante em suas idéias não conseguirá trabalhar em grupo porque grupo significa dividir e somar idéias para chegar a uma idéia comum (ou nem tanto) mas que não seja a imposição de uma única idéia.

Entender que seu comportamento provoca reações nas emoções das outras pessoas também vem dessa inteligência, e mais, entender que o mais importante em uma conversa entre amigos não é a troca de dados e sim as emoções envolvidas. É o tal, mais vale um amigo que uma piada, que muita gente "normal" faz o contrário.

Na inteligência pragmática está todo o uso da linguagem não-verbal e tudo o que está por trás das emoções e de regular as suas emoções com o momento e situação presente. Absolutamente complexo e totalmente intuitivo, e essas regras sociais variam conforme a idade, cultura, local, etc.

Qual característica e comportamentos de uma pessoa com déficit cognitivo pragmático?

Elas parecem mandonas, frustram-se facilmente nas relações sociais, tem dificuldade de manter ou iniciar uma conversa porque estão mais preocupados com o tópico (se é interessante para eles ou não) do que as emoções e troca de emoções envolvidas em uma conversa, tem dificuldade com a postura corporal (mais da metade das informações que nós enviamos em uma conversa estão na postura do nosso corpo, no nosso olhar), e tem muita dificuldade com flexibilidade e troca de rotinas (também em graus variados).

O que acontece com o autista por causa do déficit pragmático?

São mal interpretados como "autista gosta de ficar sozinho" ou pior "autista não gosta de gente".

Tudo isso gera uma confusão muito grande e a ansiedade sobe, a frustração fica maior e ai vem o comportamento. A maioria das pessoas só olha para o fim da linha, o comportamento, mas a solução está em trabalhar o começo da linha.

Não é fácil achar bibliografia no assunto para crianças menores de 8 anos, pois esse problema só grita por volta dessa idade, antes disso, todos em volta, inclusive a criança, desenvolvem mecanismos compensatórios, mas essa tática despedaça por volta dessa idade se não trabalhada. Aqui encontramos outra confusão, "autista e literal" e o problema vem lá de trás, a pessoa com déficit cognitivo pragmático tem dificuldade ou nenhuma capacidade de "ler" as intenções, e a linguagem figurada fica com sentido sem graça.

10 comments:

  1. Oi Marie,
    eu sempre li este conceito de semântico e pragmático, mas somente lendo o seu texto que finalmente entendi!
    Muito bom!
    Cláudia Machado

    ReplyDelete
  2. Marie, parabens, muito esclarecedor. Gostaria que nos ajudasse exatamente nesse ponto, porque nao temos nenhuma literatura traduzida no Brasil sobre como ajudar a criança no espectro a desenvolver a pragmatica. Como devemos trabalhar com nossos filhos? bjs Elaine

    ReplyDelete
  3. Agradeço sua contribuição. Fiquei interessada. Gostaria de saber:
    _Quem é o cientista ou cientistas que embasam essas idéias, que cunham os termos?
    _Quando diz que o conhecimento pragmático inicia nos jogos de esconder da primeira infância, pergunto:
    a criança autista/ásperger brinca de esconder?

    ReplyDelete
  4. Eu volto neste assunto no fim do mes, quero descrever o q fiz para ajudar o meu cacula a entender todo o jogo da comunicacao, porem essa e minha experiencia com ele e nao uma formula. Muitas das ideias foram desenvolvidas focando as dificuldades dele, baseadas na literatura q ha no assunto.

    Eu nao me pego a formulas redondas (ou quadradas), eu tento entender (estudando, pesquisando e pensando) como as tecnicas para ajudar autistas chegaram nos conceitos e dai formo minhas proprias ideias.

    Para quem quer se aprofundar mais nesse assunto eu idico os livros:
    Einstein Never Used Flash Crads de Kathy Hirsh-Pasek e outros autores;
    Your Child's Growing Mind de Jane M Healy;
    Samrt Moves de Carla Hannaford;
    The RDI Book de Steven E Gutstein;
    Kids, Parents, and Power Struggles de Mary Sheedy Kurcinka;
    o site e literatura de Michelle Garcia Winner,
    site e literatura de Garol Gray.
    Mais os posts antigos deste blog a partir de "so quero q meu filho fale" pois todo o desenvolvimento da linguagem e entrelacado.

    Quanto a crianca autista brincar de esconder, sim ela pode brincar de esconder ou pode ter brincado de esconder. Infelizmente o unico concenso q se tem sobre autismo e q ninguem sabe aonde e quando acontece a "quebra" no desenvolvimento q "provoca" a manifestacao da sindrome.
    A crianca pode brincar do "esconder", mas pode haver uma quebra na maneira q faz a brincadeira ou no entendimento da brincadeira, pode ter iniciado de forma normal e em um ponto do desenvolvimento, por uma razao ainda desconhecida passou a funcionar mais como um ritual e deixou de servir ao proposito.

    Espero ter respondido as duvidas, caso nao, ou tenha criado outras com minha resposta, pergunte novamente, para isso e este blog.

    Marie

    ReplyDelete
  5. Simplesmente maravilhosa a explicação! Parabéns! Os filhos de vcs tb falam um monte de nsjdbfajhsdbnsbc no meio de frases ou palavras com sentido? O que faremos meu Deus? O cadu agora está com 7 anos, mas faz terapia desde os 3 anos... melhorou muito é claro... mas e esta fala maluca?! Socorro!!!! Bjs à todos que lêem e buscam por resultados!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Patricia,
      a questão é trabalhar a linguagem não verbal, essa é a base para q a pragmática desenvolva. Ensinar a linguagem no momento real, mais do que saber palavras, é necessário q eles saibam contextualizá-las, que estas palavras sejam úteis para impactar o mundo deles, que a linguagem traga esclarecimentos e não mais confusão. Para tudo isso acontecer, o fundamento é a troca de olhar, compartilhamento, usar e entender gestos, postura corporal. Tem várias idéias aqui no Blog. Bjs

      Delete
  6. Boa noite.
    Acompanhei todos os vídeos q postastes e te parabenizo pela garra. Que Deus olhe por vocês sempre!
    Tenho também um filho, hoje com 20,1/2a.Teve diagnóstico de TDAH por volta de 7a. Na época foi muito difícil trbalhar ele, pois ñ se sabia muito a respeito.Observando os seus filhos,lembro parecido com os trejeitos do meu. Acompanhamento conseguimos até por volta de seus 14 anos, a partir, ñ teve como, mas graça a Deus, as orações é q tem ajudado.Hoje,
    pelos seus depoimentos acredito que meu filho seja também um autista.O amor transcende a frustração.Deus é Pai! Abrç.: Vera Bola

    ReplyDelete
  7. Oi Marie, conheci seu blog agora. Comecei agora a fazer os testes pra autismo do meu filho de 2 anos e 6 meses. Tudo indica que é autista ? Não fala ainda nada. Só papà e mamma as vezes

    ReplyDelete
  8. Moro na Itália,onde a alimentação é a base de trigo, desculpe se não é esse o assunto mas tô desesperada:(
    Vc acha que influencia trigo e leite? Obrigada por compartilhar esses tesouros no seu blog. Michelle mãe de Nicolas :)

    ReplyDelete
  9. Moro na Itália,onde a alimentação é a base de trigo, desculpe se não é esse o assunto mas tô desesperada:(
    Vc acha que influencia trigo e leite? Obrigada por compartilhar esses tesouros no seu blog. Michelle mãe de Nicolas :)

    ReplyDelete