Saturday, May 7, 2016

Thursday, February 18, 2016

Grupo de apoio a pais e familiares - fevereiro/2016




Algumas ideias de exercícios de relaxamento para fazer em família:
video

Monday, September 28, 2015

Friday, September 4, 2015

Primeira Festa da Primavera Motricitá

Primavera traz renovação! 
Pensando em um momento de alegria, descontração, experiências novas e aprendizado, organizamos a Primeira Festa da Primavera Motricitá! Participe! Será uma festa e tanto, com yoga, princípios de meditação, culinária saudável e artesanato, com gente experiente em incentivar a participação e aprendizado de crianças no espectro autista e outras dificuldades no desenvolvimento. ‪#‎açãoautismo‬







Sunday, August 9, 2015

Crianças com autismo e um cachorro ...

E a decisão de ter o Snoopy veio por um pedido do Luís, Snoopy foi seu presente de 10 anos. Porém, Snoopy não se limita ao Luís, ele veio para fazer parte de toda a família.
Na primeira semana gerou uma curiosidade em todos, Pedro, Luís e eu ficávamos o maior tempo possível com ele, no colo, ninando o nosso bebê de 45 dias, mas na segunda semana, Legos e desenhar voltaram a ter importância na vida do Luís, o Snoopy preferia sentar num formigueiro a ficar perto do Pedro e em 1 mês eu me vi dona solitária de um filhote de beagle.

A história precisava mudar, com a ajuda e orientação do terapeuta dos meninos, começamos uma intervenção com o Pedro, cada vez que ele ia brincar com as orelhas ou rabo do Snoopy eu corria para redirecionar suas mãos para carinho. Cachorros tem sistema límbico e o Snoopy podia sentir que estava sendo usado como um objeto, que o Pedro brincava com suas partes, mas não com ele, isso incomodava o Snoopy que rosnava e mordia o Pedro. Com essa intervenção, o Snoopy passou a se aproximar do Pedro.

Ao mesmo tempo eu tive que trabalhar inibição de mordida no Snoopy e assim o Luís voltou a se aproximar do cachorro.

Os meninos passaram a ter responsabilidades, o Luís é responsável por verificar e dar a comida do Snoopy e da Fígaro (a gata) e o Pedro por verificar e trocar a água.

Ao Luís coube a tarefa de recolher o cocô no quintal, tarefa que teve que ser introduzida com o “fazer juntos”, o nojo era imenso, o Luís é sensível sensorialmente, então precisou de um apoio extra para acomodar nos seus sentidos a nova responsabilidade, por 1 semana catávamos o cocô juntos, a minha mão e a dele dentro do saquinho. Lembro que ele comentou: “eu não gosto de catar o cocô” e o comentário que ele ouviu em resposta foi: “e você acha que catar cocô é a atividade favorita de alguém?” e foi assim que ele entendeu que alguém teria que fazer esse trabalho, e ele é o dono do Snoopy.


O Pedro passou a dar biscoitinhos caninos ao cachorro, também aflitivo ao Pedro de início, então fizemos o mesmo processo, minha mão por cima com o biscoitinho na minha palma e a mão do Pedro só por baixo, aos poucos invertemos a posição das mãos, agora a do Pedro por cima e a minha só dando o suporte emocional por baixo, em 1 mês o Pedro já podia dar os biscoitinhos sozinho ao Snoopy.

video


A mim ficou a tarefa de ensiná-lo a fazer xixi no quintal e tudo mais que não é pouco com um filhote.

Nas consultas veterinárias íamos os 3, tarefa não muito simples porque geralmente esperamos 1 hora para o atendimento.


E o tempo foi passando e chegou 13 de maio, o aniversário de 10 anos do Luís e o dia em que o Snoopy poderia dar seu primeiro passeio na rua. E como com qualquer filhote, esse passeio não foi muito tranquilo, mas Luís entendeu que temos muito o que ensinar ao Snoopy.



Os passeios são diários, Luís foi aprendendo a conduzir o Snoopy, Pedro não criou essa curiosidade naturalmente, então o terapeuta indicou o uso do ConnectorRx com o Pedro e o Snoopy, e foi uma tremenda diferença, tendo o Snoopy conectado ao seu corpo, o Pedro passou a prestar atenção no cachorro durante o passeio e ao mesmo tempo manter o passo coordenado comigo, lá pela quinta vez que os dois ficaram enroscados nas árvores da rua o Pedro passou a antecipar as árvores e direcionar o Snoopy a passar pelo mesmo lado que ele, sem eu precisar mostrar ou dizer, pela experiência, o Pedro percebeu a solução através do seu próprio pensar. E o mais feliz nesse passeio foi a presença de corpo, alma e mente do Pedro, ele NÃO desviou seu pensamento e atenção a contar os números das casas ou seus dedos, ou cantarolar músicas em sua mente. Pedro estava conectado comigo, com o Snoopy e com o momento presente!






Hoje o Pedro anda somente conectado com o Snoopy, como ele também evoluiu nestes últimos tempos no processo do uso do ConnectorRx, hoje ele passeia já coordenando com meu passo, não atravessa a rua sem olhar e se mantém numa distância de mim que ainda mantemos a troca social.










Beagles são muito inteligentes, só brincar com bolinhas não satisfaz, eles precisam fazer parte da família. Um grande problema encontrado nos passeios foi a paixão do Snoopy por crianças, e o demonstrar dessa paixão era pulando nelas, o que por algumas vezes machucava as crianças da rua. Então começamos com o treino de sentar, e o Pedro tem se saído um bom mestre para o Snoopy. isso reduziu drasticamente a afobação do Snoopy quando vê crianças na rua, ou mesmo interagindo com os meninos aqui de casa.

video




Monday, August 3, 2015