Sunday, August 9, 2015

Crianças com autismo e um cachorro ...

E a decisão de ter o Snoopy veio por um pedido do Luís, Snoopy foi seu presente de 10 anos. Porém, Snoopy não se limita ao Luís, ele veio para fazer parte de toda a família.
Na primeira semana gerou uma curiosidade em todos, Pedro, Luís e eu ficávamos o maior tempo possível com ele, no colo, ninando o nosso bebê de 45 dias, mas na segunda semana, Legos e desenhar voltaram a ter importância na vida do Luís, o Snoopy preferia sentar num formigueiro a ficar perto do Pedro e em 1 mês eu me vi dona solitária de um filhote de beagle.

A história precisava mudar, com a ajuda e orientação do terapeuta dos meninos, começamos uma intervenção com o Pedro, cada vez que ele ia brincar com as orelhas ou rabo do Snoopy eu corria para redirecionar suas mãos para carinho. Cachorros tem sistema límbico e o Snoopy podia sentir que estava sendo usado como um objeto, que o Pedro brincava com suas partes, mas não com ele, isso incomodava o Snoopy que rosnava e mordia o Pedro. Com essa intervenção, o Snoopy passou a se aproximar do Pedro.

Ao mesmo tempo eu tive que trabalhar inibição de mordida no Snoopy e assim o Luís voltou a se aproximar do cachorro.

Os meninos passaram a ter responsabilidades, o Luís é responsável por verificar e dar a comida do Snoopy e da Fígaro (a gata) e o Pedro por verificar e trocar a água.

Ao Luís coube a tarefa de recolher o cocô no quintal, tarefa que teve que ser introduzida com o “fazer juntos”, o nojo era imenso, o Luís é sensível sensorialmente, então precisou de um apoio extra para acomodar nos seus sentidos a nova responsabilidade, por 1 semana catávamos o cocô juntos, a minha mão e a dele dentro do saquinho. Lembro que ele comentou: “eu não gosto de catar o cocô” e o comentário que ele ouviu em resposta foi: “e você acha que catar cocô é a atividade favorita de alguém?” e foi assim que ele entendeu que alguém teria que fazer esse trabalho, e ele é o dono do Snoopy.


O Pedro passou a dar biscoitinhos caninos ao cachorro, também aflitivo ao Pedro de início, então fizemos o mesmo processo, minha mão por cima com o biscoitinho na minha palma e a mão do Pedro só por baixo, aos poucos invertemos a posição das mãos, agora a do Pedro por cima e a minha só dando o suporte emocional por baixo, em 1 mês o Pedro já podia dar os biscoitinhos sozinho ao Snoopy.

video


A mim ficou a tarefa de ensiná-lo a fazer xixi no quintal e tudo mais que não é pouco com um filhote.

Nas consultas veterinárias íamos os 3, tarefa não muito simples porque geralmente esperamos 1 hora para o atendimento.


E o tempo foi passando e chegou 13 de maio, o aniversário de 10 anos do Luís e o dia em que o Snoopy poderia dar seu primeiro passeio na rua. E como com qualquer filhote, esse passeio não foi muito tranquilo, mas Luís entendeu que temos muito o que ensinar ao Snoopy.



Os passeios são diários, Luís foi aprendendo a conduzir o Snoopy, Pedro não criou essa curiosidade naturalmente, então o terapeuta indicou o uso do ConnectorRx com o Pedro e o Snoopy, e foi uma tremenda diferença, tendo o Snoopy conectado ao seu corpo, o Pedro passou a prestar atenção no cachorro durante o passeio e ao mesmo tempo manter o passo coordenado comigo, lá pela quinta vez que os dois ficaram enroscados nas árvores da rua o Pedro passou a antecipar as árvores e direcionar o Snoopy a passar pelo mesmo lado que ele, sem eu precisar mostrar ou dizer, pela experiência, o Pedro percebeu a solução através do seu próprio pensar. E o mais feliz nesse passeio foi a presença de corpo, alma e mente do Pedro, ele NÃO desviou seu pensamento e atenção a contar os números das casas ou seus dedos, ou cantarolar músicas em sua mente. Pedro estava conectado comigo, com o Snoopy e com o momento presente!






Hoje o Pedro anda somente conectado com o Snoopy, como ele também evoluiu nestes últimos tempos no processo do uso do ConnectorRx, hoje ele passeia já coordenando com meu passo, não atravessa a rua sem olhar e se mantém numa distância de mim que ainda mantemos a troca social.










Beagles são muito inteligentes, só brincar com bolinhas não satisfaz, eles precisam fazer parte da família. Um grande problema encontrado nos passeios foi a paixão do Snoopy por crianças, e o demonstrar dessa paixão era pulando nelas, o que por algumas vezes machucava as crianças da rua. Então começamos com o treino de sentar, e o Pedro tem se saído um bom mestre para o Snoopy. isso reduziu drasticamente a afobação do Snoopy quando vê crianças na rua, ou mesmo interagindo com os meninos aqui de casa.

video




Monday, August 3, 2015

Programe-se


Grupo de apoio a pais e familiares - agosto/2015


INSCRIÇÕES VÁLIDAS SOMENTE ATRAVÉS DO LINK: https://docs.google.com/…/1XAALyGf0US0MIyPzQbxQhL…/viewform…
Temos número limitado de vagas, enviaremos e-mail confirmando a presença e seguiremos as seguintes regras para melhor organização, lembrando que todos do grupo fazem o trabalho de forma voluntária e precisamos da colaboração dos participantes.
1. Se você confirmou sua inscrição, pedimos que não falte. O evento é gratuito e estamos limitando as vagas para 30 participantes. Se você se inscreveu esta deve ser sua prioridade. Se faltar será feita uma observação em seu cadastro e com 2 faltas não poderá mais participar dos nossos eventos gratuitos. NÃO teremos vagas extras, o número é limitado para termos um melhor aproveitamento do bate papo, então valorize sua vaga para não ficar de fora!
2. Com relação às salas de apoio para as crianças, estamos seguindo as mesmas regras do item 1. Nós contamos com voluntários que dedicam suas horas para entreter, cuidar e brincar com nossas crianças. É justo que os voluntários contem com a presença de cada criança, eles se preparam para receber exatamente o número de inscritos, e não podemos permitir que exceda o número de crianças esperado.
Contamos com a compreensão!

Tuesday, June 30, 2015

AT-EASE® Camps – Grupo de Brincar e Grupo Social – julho 2015



AT EASE Learning Model®
oferece
Grupo de Brincar e Social – em Vinhedo
Desenvolvimento, orientação e diversão
Numa parceria do
Movimento e Aprendizagem e PACE Place Inc

Grupo de Brincar – Criança de 3 a 6 anos e seus pais de 29 junho a 1 julho – Dàs 14h às 17 h.

Grupo Social- Criança de 7 a 10 anos e seus pais de 3 julho a 5 julho - Dàs 14h às 17 h.

Valor: R$ 2.500,00 (R$ 500,00 na inscrição;  R$ 500,00 em 20/03;  R$ 500,00 em 20/04;  R$ 500,00 em 20/05 e R$ 500,00 em 20/06)

Local: Rua Manoel de Sá Fortes Junqueira, 104 - Vila Lorezon - Vinhedo/SP

Vagas limitadas, grupo bem reduzido de participantes para garantir a qualidade

Objetivo:
Um dos mais fortes indicadores de uma intervenção bem-sucedida para pessoas no espectro autista, ou para qualquer deficiência na infância, reside na forma como, competentemente, uma família pode atingir os objetivos de determinada criança e incorporar estratégias eficazes para melhorar o fluxo de suas vidas diárias.


O modelo de imersão familiar foi desenvolvido para ajudar a restaurar a confiança e competência da família no dia a dia com a criança com autismo, focando em "situações da vida real".


O objetivo é orientar, baseado nas interações familiares e assim, explorar e descobrir estratégias eficazes específicas para cada estilo parental. Isto garante maior sucesso na criação e desenvolvimento da criança. Profissionais adaptam a teoria à prática do dia-a-dia de uma maneira em que os pais podem facilmente reconhecer e aplicar para mudar o futuro da sua família para melhor.

Quando podemos observer outras famílias interagindo com seus filhos temos a oportunidades de “insights” das nossas próprias relações e a troca de experiências é muito rica.

As famílias participarão de um grupo de imersão sob a supervisão e orientação de Eric Hamblen, PACE Place Inc, OR, USA.


Sobre  AT EASE Learning Model®
As relações de maior confiança da criança é a mãe e o pai, por isso pai e mãe precisam estar na liderança para definir limites claros sobre o comportamento da criança. Se a mãe e o pai não puderem tolerar que ela sinta desapontamento, frustração, alegria, irritação, confusão, etc então a criança também não será capaz de tolerar essas emoções nela mesma. É importante ressaltar que NÃO queremos que a criança vivêncie o estresse além do que é adequado para a sua idade de DESENVOLVIMENTO. 

Quando o adulto assume o controle e estabelece limites claros com compaixão, somente então poderá mudar como a outra pessoa se sente e DEIXAR de tentar controlar a situação e assim, mudar como ela pensa e se comporta, EXPANDINDO sua compreensão concreta da situação e seu crescimento.

AT EASE Learning Model® deve ser visto como uma ferramenta para ajudar os pais e os prossionais a determinar onde eles se situam no mapa da relação com o seu lho/cliente, independente da atividade ou estrada que escolheram trilhar.

As lentes do AT EASE Learning Model® quando utilizadas de forma ecaz, ajudarão a pôr em evidência as nossas dinâmicas sociais atuais de uma maneira que nos permita:
* iniciar e orientar a criança a iniciar o Acesso às suas relações, de uma forma diferente e com intenção,
* Tolerar a jornada em que estamos e as emoções que todos os participantes desta aventura, que é aprender e se desenvolver, irão experimentar (incluindo tolerar as nossas emoções),
* Explorar sabiamente, de modo a ganharmos experiências positivas, ao invés de sentir como se afundássemos em um pântano a cada passo dado.

Os conceitos do AT EASE Learning Model® reconhecem que cada destino no mapa relacional está em constante mudança e evolução. Assim, não existe a necessidade de um novo mapa. Nós só precisamos de um mapa do desenvolvimento natural, só precisamos aprender a navegar nesse mapa. Cada pessoa tem um mapa em mudança, dinâmico. Como o nosso mapa relacional está sempre mudando, a m de saber onde nos situamos, todos nós precisamos aprender a preencher rotineiramente nosso próprio mapa. AT EASE Learning Model® é projetado para auxiliar os adultos a preencher o mapa relacional com as crianças com autismo, ajudando-os a usar os seis componentes do AT EASE Learning Model® como pontos de coordenação.

Os componentes do AT EASE Learning Model® são:

Acessar realcionamentos e recursos para aprender a partir de experiências;

Tolerar experiências emocionalmente difíceis, aprendendo a expandir a  capacidade de co-regulação e auto-regulação ;

Explorar oportunidades de aprendizado em conjunto;

Aplicar o que foi aprendido até o seu completo domínio;

Seguir novas oportunidades para usar este aprendizado, independente de quem seja o guia;

Evoluir, isso é, as experiências bem sucedidas devem levar a um sentimento de competência


Eric Hamblen o inventor do Connector Rx ®. Eric e também o co-fundador e Diretor de Programas do Projeto P.A.C.E., Inc e PACE Place.
Eric trabalha com crianças com dificuldade no aprendizado social e comunicação incluindo crianças no espectro autista desde 1985, em prática privada e pública nos EUA.
Eric trabalhou na UCLA Clinic for the Behavioral Treatment of Children sob a direção do dr. Ivar Lovaas e recebeu o treino avançado em Applied Behavioral Analysis (ABA).Eric completou o certificado RDI™sob supervisão do Dr. Steve Gutstein(Certified RDI TM Consultant, 2003-2006).
Eric trabalha como consultor e dá treinamento a famílias e profissionais por todo o mundo e apresenta palestras em seminários nacionais e internacionais. Ele tem prazer em ajudar as famílias a pensar através dos seus desafios e co-criar maneiras de alavancar seus relacionamentos e encontrar soluções dinâmicas e promover desenvolvimento dessas relações.

Também contamos com profissionais experiêntes e em treinamento avançado sobre os princípios do AT EASE Learning Model®

Pamela Spanholeto – Formada em Ensino Superior Normal (Magistério).
Educadora física formada desde 2006.
Trabalha com crianças e adolescentes do espectro autista há 10 anos desenvolvendo trabalho cognitivo- motor-emocional.

Cursos complementares na área de autismo:
Integração sensorial
Currículo funcional natural.
Curso de comunicação alternativa PECS.
Seminário AT EASE Learning Model® com certificação level I
Vivência participative em acampamento para adolescents no espectro autista na clinica Pace Place - Oregon-USA
Participação mensais em palestras sobre autismo para aprimoramento e aprofundamento na área.
Professora de dança e coreógrafa de festivais de dança para crianças com deficiência intelectual e do espectro autista.

Atualmente trabalha como educadora física em uma instituição para pessoas com deficiência e autismo com aulas de expressão corporal e psicomotricidade, atendimentos individuais a domicilio com crianças e adolescentes do espectro autista, deficiência intelectual, TDAH, entre outros transtornos do desenvolvimento com uma abordagem diferenciada.

Marie Dorión - Relações Públicas, mãe de dois meninos no espectro autista, morou por volta de 5 anos nos EUA, onde fez vários cursos na área comportamental, sensorial e desenvolvimento relacional. Hoje ministra palestras, organiza grupos de pais, escreve para a Revista Autismo e é a autora do blog UmaVozparaoAutismo.blospot.com

Tatiana Ksenhuk – Mãe de dois meninos no espectro autista e coordenadora do Grupo Amais São Paulo.


Inscrições: autismo@live.com

Queremos dar um enorme obrigado a todos os terapeutas e voluntários por seu tempo e energia. Sem vocês o Brasil AT EASE® Camp não seria possível!